quinta-feira, 3 de abril de 2014

Amo como um louco, perco como um fraco

Podia implorar-te para ficares, chorar baba e ranho pela tua volta ou fazer-te ver, vezes sem conta, tudo o que fomos e tudo o que estás disposta a deitar a perder. Contudo, da mesma forma como te amei loucamente, sem temer nada nem ninguém,  deixo-te partir, sem rastejar a teus pés, suplicando pena e gratidão. Sou louco por ti, enfrentei tudo por ti e nada mais fiz do que lutar por ti. Sabes disso, tão bem ou melhor que eu. Sempre jogaste com esse trunfo e aproveitaste-te da minha maior fragilidade - amar-te.
Hoje disseste que partirias de vez, mudaste as regras do jogo, o sentido da vida, e eu estou de tal maneira embrulhado na minha derrota que nem força tenho para te dizer "fica, não vás, por favor...". Quando se ama como um louco acaba-se por sofrer da doença como se não existisse cura. Talvez um dia recupere deste trambolhão e te veja rastejar e implorar para que volte, regresse e te aceite. Nesse dia sentirei o teu arrependimento, nunca o teu amor.

Sem comentários:

Enviar um comentário