terça-feira, 1 de abril de 2014

O Amor tem de ser louco

Amo-te do único modo que sei: de corpo inteiro, de alma cheia. Não sei como podem dizer que existe outra concepção de amor, que há diferentes formas de amar e que o amor não tem de ser louco, completo e doente. Mentira, pura mentira e mera desculpa de quem nunca amou. Quem ama sente arrepios, sente frio, calor, transpira e treme. Quem ama sente o peito cheio e a voz trémula. Quando se ama sentimo-nos maiores do que o mundo, superiores a tudo o que nos rodeia e nunca ao alcance de quem amamos. Quando amamos só tememos a "menina dos nossos olhos" e as suas lágrimas são lâminas que penetram a nossa carne. Quem ama tem toda a coragem para enfrentar o mundo, mas treme quando ela fala. Se o amor pode ser diferente disto então não sei se quero amar, não sei se vale a pena falar em amor, sentir amor e amar alguém. Podem chamar-me doente, maluco ou exagerado, mas só sei amar assim e é assim que espero ser amado. A vida é a jaula que nos prende, o amor é a vontade de viver. 

Sem comentários:

Enviar um comentário