quarta-feira, 16 de abril de 2014

O desejo de te escrever

Hoje acordei com o desejo de te escrever uma carta. Não quero o e-mail, a mensagem ou um mero telefonema. Quero escrever-te uma carta com tinta permanente, com palavras desenhadas pela minha mão, com a marca da minha caligrafia. Sei que um dia, ao leres a carta, vais olhá-la e reconhecer o remetente, ainda que eu não assine. O meu nome está na caligrafia e em todo o esforço que fiz para desenhar perfeitamente aquelas palavras. Nem sempre bonitas, diga-se. 
Mas não sou só caligrafia. Sou cada palavra que te escrevo, cada sentimento, cada sinónimo e interpretação. Se conseguisse escrever tudo o que sinto por ti, as minhas frases não tinham pontos finais, vírgulas ou interrogações. Parágrafos? Não conheço, não mudo de linhas quando o caminho da minha vida me leva a ti. Não há outro assunto para além de ti. 
Apetece-me escrever-te uma carta como deve ser, digna de ser uma carta. Não sei se estou preparado para tal, muito menos se o consigo fazer. Sei que vou tentar, irei escrever uma e outra vez, apagar outras tantas e, por muito que goste, achar que nunca demonstra tudo o que sinto e tudo o que mereces.
Sei que quando vires o envelope vais perguntar o porquê de ser uma carta. Em pleno século XXI, totalmente fora de moda, um meio de correspondência ultrapassado.Vais dizer que já ninguém namora assim e que só um doido é que ainda se lembrava de tal ideia. Ora, é precisamente esse o ponto de partida para tal. Sou doido por ti. Amo-te de tal maneira que não consigo encontrar igual nos amores de agora. Amo-te à antiga, na facilidade e na dificuldade, na saúde e na doença. O meu amor por ti é uma linha de tempo contínua, onde não faço nada mais do que viajar por todos os nossos momentos. Só um doido escreve uma carta nos dias de hoje. Só um doido tem coragem de fazer o que mais ninguém faz. E essa é uma das razões por que te escrevo. Para mim, o meu amor é incomparável ao dos demais, logo, não esperes de mim o que é normal em todos os outros. 
Um dia sonhei escrever uma carta para alguém especial. Uma carta verdadeira, com erros, frases mal construídas e pontuações deficitárias. Uma carta recheada de palavras cuspidas pelo coração. A carta que eu queria escrever não tinha de ser bonita, apenas sincera. A beleza e a perfeição moram em ti..
A carta que pretendia escrever está aqui, pronta a ser enviada, com a esperança de ser bem recebida. Quando a receberes, imagina que sou eu a entregá-la. Quando a leres, imagina que é a minha voz a lê-la e quando reagires, lembra-te onde estou. 

2 comentários:

  1. Quem receber essa carta só poderá ser alguém cheio de sorte!

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado pela leitura e pelas bonitas palavras.
    Ter o coração cheio é a maior das sortes!
    Seja bem-vinda ao meu blogue.

    ResponderEliminar