quarta-feira, 30 de abril de 2014

O melhor lugar do mundo

Um dia prometi levar-te ao melhor lugar do mundo, onde tudo faz sentido e a felicidade apodera-se da alma. Queria mostrar-te que o mundo é feito de lugares encantados e que somos nós quem os fazemos, que lhes damos vida e sentido. Gosto de ver o teu ar desconfiado com tamanha surpresa, o teu ar expectante e louco por descobrir o tal lugar. Há quem lhe chame de lugar encantado, onde tudo faz sentido. Podia pegar na ideia de alguém e resumi-la a isso. Mas não, para mim, aquele lugar é o centro de toda a alegria, o despertar da vida e o início do meu fim. Aquele lugar é a semente mandada à terra, de onde colho a felicidade.
Entraste no carro munida de perguntas, ratoeiras e contradições. Precisei de muita concentração e prepotência. Não leves a mal tal atitude, mas se não resistisse às tuas seduções tudo isto deixaria de fazer sentido. Parei quando estava perto de chegar. Pedi para vendar-te os olhos. Tu, a muito custo, lá aceitaste e cedeste. Estava perto de levar-te ao meu sítio, na esperança de o sentires da mesma maneira que eu.
Estacionei e ajudei-te a sair. Reclamavas para ver, inventavas desculpas atrás de desculpas. Todas caíram aos pés da minha vontade. Conhecia-te bem demais para não me defender das tuas tempestades psicológicas. Aproximei-te do centro daquele lugar. Ouvias o mar e sentias a brisa no rosto, percebi que começavas a reconhecer mesmo sem ver. Olhei-te enquanto nada vias e recordei o rosto pelo qual me apaixonei. Cada vez mais bonito mas com a essência de sempre. Sentei-te e sentei-me ao teu lado, agarrei-te na mão e beijei-a. De seguida beijei-te a face e perguntei-te se estavas preparada. O teu "claro" saiu com tanta convicção que o mar se agitou, a ondulação subiu e as gaivotas fugiram ao som do agonizante grasnar.
Tirei-te a venda e deixei-te apreciar a paisagem e todo o seu esplendor. Para mim aquele era o lugar mais bonito do mundo e tu eras a minha melhor companhia. O perfume do momento era o teu. Quando abriste os olhos custou-te enfrentar a luz do sol, mas acredita, ele brilhou ainda mais. Ele desenvencilhou-se das nuvens e centrou-se em ti. Fiquei na sombra de todo o teu brilho.
Do alto daquele  rochedo tinhas o mar a beijar-te os pés e eu a beijar-te o rosto.
- Reconheces? Este é o meu lugar favorito e nada mais se compara - disse como quem desvenda a surpresa.
- Claro que reconheço. Foi aqui que nos demos a conhecer e nos beijámos - respondeu-me com todo o brilho que um olhar pode conter.
- Foi aqui que te entreguei o meu coração. Guarda-o da melhor maneira, guarda-me até ao fim.
Tu beijaste-me enquanto as lágrimas escorriam pelo rosto. A dada altura já não sabia de quem eram, se minhas se tuas. No calor daquele beijo perdi-me, já não sabia quem era, se o meu corpo se o teu.

Sem comentários:

Enviar um comentário